Passeando pela cidade

Ontem resolvi ir de ponto A a ponto B e acabei analisando e percebendo que a melhor maneira seria ir de metrô, incrível que aqui no Rio, dificilmente utilizo esse transporte público,  enquanto em Nova Iorque utilizava o tempo todo. De metrô chegava rápido em qualquer lugar, já que a cidade é toda conectada, táxi somente quando a distância era curta ou quando estava muito frio e muita neve, isso se o taxi chegasse, mas na maior parte do tempo, metrô para todos os lados.

Então ontem lá fui eu, e ao chegar na bilheteria vi que tinha o cartão do metrô pré-pago, apenas 10 reais, e eu pensei com meus botõies: “é bom ter, vai que decido andar de metrô novamente”…

Comprei o cartão, que é bem semelhante ao cartão de banco e/ou de créditos, e como estava acostumada com o metrocard de Nova Iorque que é de papel/plástico (não sei identificar muito bem o material), parecia uma turista na estação, simplesmente não entendi o que fazer com o cartão, pois quando cheguei na roleta/catraca, percebi que não tinha lugar para inserí-lo, então reparei que estava escrito “encoste aqui”.

Simples assim, “encoste aqui”, e eu ainda fiquei vendo o cartão para tentar descobrir o lado, código de barras, e não sei mais o que, quando na realidade, mais simples seria impossível, bastava apenas encostar o cartão onde estava indicado.

Aos 30&Alguns com a modernidade creio que muitas vezes acabamos esperando encontrar dificuldade em tudo, quando muitas vezes as coisas são bem simples, como “encoste aqui”. 😉

Facebook Comments

9 comentários

  1. Muitas tecnologias são fáceis, e de tão faceis, as vezes nos confundem, porque esperamos algo mais complexo, que exija outras atividades, um cartão, uma senha, um usuário, confirmação de logon, etc É o costume da segurança digital

  2. Adao Braga » falou tudo, uma ótima semana ! 🙂

  3. Pft. Eu achei um absurdo. Devia ser por viagens. Assim não vale… se aumentam o metrô, você se lascou, fióta. Se bem que pelo outro lado, ao menos é bom a gente encostar n’alguma coisa diferente de sapo. Ou daquelas coisas que viram um deles (rs).

    Bezzos,

  4. Carla Matias » vou passar lá e adicionar ao meu feed, desculpe pela demora em respondê-la. Muito obrigada pela visita. bjs

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.