Estudo diz que oito em cada dez pessoas já comprou produtos que não eram originais

Pesquisa da Toluna ainda mostra que 41% das pessoas voltariam a comprar produtos “piratas”

Nas ruas, nas galerias, na internet e em muitos outros lugares das grandes cidades uma das maiores constantes são as barracas com produtos não-originais. E algo que sempre acontece é que apesar de não conhecer a procedência das mercadorias, as pessoas compram nesses lugares.

Esta é a conclusão que a Toluna, empresa fornecedora líder de insights do consumidor sob demanda, chegou em uma pesquisa feita realizada entre 22 a 29 de maio de 2019 com 826 pessoas das classes A, B e C, segundo critério de classificação de classes utilizado pela Abep – Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa, onde pessoas da classe C2 tem renda média domiciliar de R$ 1.625 por mês , com 826 pessoas sobre o consumo de produtos não originais. Ao serem perguntados se já compraram item que não eram originais, 84% dos respondentes afirmaram que sim, contra 16% que disseram que não adquiriram artigos falsos.

Um dos motivos mais citados para essa compra é o valor. O estudo mostra que 77% dos respondentes preferiram o produto falso pelo preço ser menor ou mais acessível. A pesquisa também quis saber quais produtos piratas eram mais comprados e as roupas ficaram em primeiro lugar sendo adquiridas por 66% dos entrevistados como mostra o ranking dos principais produtos citados abaixo.


Pessoas voltariam a comprar produtos falsos

O estudo também perguntou às pessoas que compraram produtos falsos se elas teriam problema em voltar a adquirir esse tipo de mercadoria. Para 42% dos respondentes, não haveria nenhum problema em novamente obter esse tipo de item, 38% não comprariam um produto pirata novamente e 21% afirmaram que não sabem se iriam atrás de tipo de artigo.

O público pesquisado também foi perguntado sobre a consciência do produto não ter a mesma qualidade do original e 58% dos que compram sabem que a mercadoria não ter o nível de excelência do original. Além disso, 45% consome pois o produto é acessível e gera satisfação ao usá-lo.

Link para o estudo:http://tolu.na/l/t9SPw7p

Facebook Comments
Curta nossa página 😉
error

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.