Felizmente nunca precisei ser atendida em hospitais públicos no Brasil, e digo felizmente, pois os relatos que sempre escuto de pessoas que passaram pelo atendimento público, nem sempre são muito bons, tem alguns casos de pessoas que conheço que fizeram cirurgias, e até foram bem atendidos durante o procedimento, mas a fila, a espera, os exames feitos com antecedência e tendo que serem refeitos devido a demora ao marcar a cirurgia, desanimam qualquer um.

Fora isso, os casos que vemos  diariamente na TV de pessoas que morrem, às vezes morrem em grupos, pessoas que não são atendidas,  falta de médicos na rede pública,  falta de recurso, entre tantas outras faltas, faz com quem uma parte da população opte por ter um plano de saúde, e hoje em dia pessoas das camadas mais carentes estão muitas vezes cortando ainda mais os gastos, até mesmo com a alimentação para poder pagar um plano de saúde.

Atualmente há planos bem variados em preços e serviços que oferecem, podendo custar R$40 por mês e tendo acesso a uma grande quantidade de exames como tomografia, entre outros.

Por que estou falando sobre esse assunto?

Estou tocando nesse assunto, porque já faz algum tempo que tenho recebido informativos do Ministério da Saúde e sempre tem tanta informação interessante, a impressão que eu tenho é que a saúde no Brasil era para ser bem diferente da situação que nos é apresentada diariamente.

  • Você sabia que o  Ministério da Saúde foi um dos financiadores do estudo que levou à primeira linhagem de células-tronco pluripotentes induzidas que são capazes de se transformar em qualquer tipo de célula e que apesar de serem semelhantes às células-tronco embrionárias, não necessitam de embriões para serem obtidas?  Com isso o nosso país passou a ser o 5º país do mundo, atrás do Japão, Estados Unidos, Alemanha e China a produzir células-tronco pluripotentes a partir de células não-embrionárias.
  • Você sabia que em 2008 houve um aumento de 10% nos transplantes de órgãos e que 19.125 transplantes foram realizados entre janeiro e dezembro? Segundo o Ministério da Saúde, esse aumento se deu graças a uma série de fatores como campanhas de sensibilização que foram feitas ao longo do ano, a habilitação de 50 novos centros, aumentando para 942 o número de centros transplantadores no país. Ainda de acordo com o Ministério da Sáude, temos “o maior programa público de transplantes de órgãos e tecidos do mundo. Cerca de 95% dos transplantes são realizados pelo Sistema Único de Saúde (SUS), que também subsidia todos os medicamentos imunossupressores para os pacientes.”
  • Você sabia que o Brasil passará a produzir cristais de insulina, matéria prima para o medicamento usado no tratamento do diabetes, na nova unidade industrial que será montada (União Química e Biomm) no Distrito Industrial JK, em Brasília, a qual contará com um investimento entre R$ 150 milhões a R$ 200 milhões e segundo o informativo do Ministério da Saúde, “A expectativa dos empresários é que, em dois anos, o país produza 800 kg do medicamento, material considerado suficiente para atender toda a demanda nacional, além de permitir a exportação para outros países. Será a primeira na América do Sul a produzir cristais de insulina.”
  • Você sabia que o Ministério da Saúde realizou a maior campanha de vacinação contra a rubéola no mundo ao imunizar, mais de 67,2 milhões de pessoas e que no dia 03 de abril de 2009, a Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS) recebeu o pedido de reconhecimento do êxito da campanha de vacinação contra rubéola, sendo esse o primeiro passo para que o país possa obter o certificado de eliminação da circulação do vírus no País?

Aos 30&Alguns informo que essas são apenas algumas das informações que tenho recebido quase que diariamente, por um lado fico extremamente feliz com os avanços que temos alcançado, mas a pergunta que não quer calar: quando a população terá acesso a bons médicos? Bons hospitais? Quando????

Facebook Comments

12 comentários

  1. Quando tomarmos alguma coragem e nos candidatarmos a cargos eletivos e não deixarmos para os que lá estão se perpetuarem no poder…quando tomarmos o poder de fato… Mas tambem confesso que já fui atendido em hospital público e não tenho o que reclamar não….mas nunca foi nada muito grave..só um braço quebrado aqui..uma inalação ali…uma gripe acolá…mas sempre fui bem atendido..mas ainda temos que criar coragem de mudar…senão a situação só tende a piorar.

  2. Veri, essas informações que você recebe são através de boletins do Ministério da Saúde? Já procurei várias vezes no site e não encontro nenhum forma de recebimento de informações, nem por email nem por feeds…


  3. Quando se é atendido, não é ruim. Há varios itens a serem reparados, acrescentados; há varias equipamentos em falta. Há vários profissionais que trabalham e ficam meses sem receber, há uma grande lista de itens faltantes, mas, todavia, no entanto, pode sim, dizer e propagar do que se tem de melhor.

    A demanda pelo essencial, é maior do que pelo especial. Os casos especiais, são menores, mas, as vitorias nestes campos, brilham mais do que os números das emergencias atendidas num pronto socorro!


  4. muito puxa saco do governo. eu sei que o brasil não é fracassado, mas esse site é muito bajulador. sem ofensas.

    1. Author

      cada um com a sua opinião, sem ofensas…

  5. gostei das informaçoes,vão me ajudar muito no trabalho de sociologia!

  6. REALMENTE A SAUDE NO BRASIL E CAOTICA, SO A UM MODO DE MUDAR , EDUCANDO O POVO, CRIANDO LEIS MAIS RIGIDOS PARA OS POLITICOS CORRUPTOS, POIS NESSE PAÍS ELES ENTRAM POBRES E SAEM MILIONARIOS COM SALARIOS E BENEFICIOS FORA DOS NOSSOS PADRÕES, MAS QUAL E O POLITICO QUE IRÁ ATIRAR A PRIMEIRA PEDRA ? E DIFICIL NÃO ACHA ?
    DEPENDE DE NOS,VAMOS USAR A INTERNET PARA DIVULGAR EM MASSA E A UNICA FORMA , TENHO CERTEZA QUE NENHUM POLITICO QUER VER O SEU NOME SENDO DIVULGADO……..

  7. Todo Politicozinho que quer se eleger só falta as artérias pular do corpo dizendo que dessa vez a saúde vai entrar nos eixos e terá uma solução!
    Isso é mais claro que tirar doce da boca de criança, só que todos esses Mentirosos, porque são todos mentirosos, até se esconde da realidade, e se algum reporter vai perguntar e ele: Não é assunto meu, meu assunto é ver os Impostos, ver se arruma mais um!
    Falta de muita vergonha na cara, Oh! Politicos!!!


  8. A SAÚDE AGONIZANTE NO BRASIL
    por Greyce Lousana

    Que o Brasil passa por um momento caótico na área da saúde todos sabem. Os pensamentos de uma reforma nesse sistema vêm se arrastando através de décadas e tiveram papel preponderante no desenvolvimento de novas idéias, porém cada qual com um tipo diferente de interesse e uma visão distorcida da realidade. Daí o caos instaurado!

    Polêmica pela importação de médicos, baixa remuneração dos profissionais brasileiros, precariedade no atendimento da rede pública de saúde, fechamento de Planos de Saúde, falta de tratamento ou cura para diversas doenças são apenas alguns dos fatores que tornam o cenário médico brasileiro um verdadeiro pandemônio. Outras questões relevantes estão envolvidas e carecem de resposta e reflexão por parte das autoridades.

    A falta de acesso à saúde no país não se deve somente à insuficiência de médicos ou às instalações sofríveis dos SUS, mas também aos altos preços dos remédios. A universalização dos medicamentos, através da quebra de patentes seria uma forte aliada à baixa dos preços das drogas patenteadas no exterior. Mas é preciso investimento e incentivos à pesquisa científica e à inovação tecnológica para a descoberta de novos fármacos ou quebra de patentes, a fim de que o país deixe de depender da indústria farmacêutica multinacional. Tão importante quanto quebrar as patentes é gerar patentes nacionais. Mas isso é de interesse político?

    O Brasil poderia ser um pólo de pesquisas clínicas devido à sua riqueza e variedade étnica, porém está perdendo a competitividade no cenário mundial. Um dos fatores é a demora na aprovação de projetos de pesquisas, resultado da burocracia, uma doença nacional. Deficiência na comunicação entre pesquisadores e órgãos regulatórios e falta de dados concretos que espelhem a nossa realidade também contribuem para a debilidade do setor.

    No FOCEP/Brasil (Fórum Permanente dos Comitês de Ética e Profissionais em Pesquisa), realizado dia 24 último na Câmara Municipal em São Paulo, dentre outros assuntos relevantes, foi amplamente discutido o recurso tecnológico disponibilizado pelo Ministério da Saúde, que custou a bagatela de R$ 6 milhões e deixa muito a desejar. A Plataforma Brasil, base nacional e unificada de registros de pesquisas envolvendo seres humanos é uma ferramenta que tem trazido mais problemas e embargos do que soluções, colaborando mais ainda para a falácia do setor. Para piorar o diagnóstico, entre outros pontos críticos, temos ainda a necessidade de aprimoramento na formação dos pesquisadores e equipes, a falta de estrutura compatível com as normativas e a carência de centros para estudos pré-clínicos, o que faz com que tenhamos comprometimento das pesquisas feitas no país. As PDPs que estão sendo incentivadas pelo governo, certamente não terão sucesso se instâncias como a ANVISA e o Sistema CEP/CONEP não atuarem de forma mais efetiva. Infelizmente, isso nem sempre é do conhecimento da população que sente o problema da saúde apenas na ponta, quando depara com a falta de serviços e tratamentos adequados com relação ao tempo e qualidade.

    Todos esses fatores aliados à corrupção ativa, à péssima gestão, à má vontade política, aos desvios de verbas e aos interesses pessoais de nossos governantes que precedem os interesses da nação, corroboram para a agonia da saúde dos brasileiros e para o sofrimento profissional da medicina no país.

    Enquanto são abastecidos com estratosféricos impostos que a população paga ao governo federal, os cofres públicos são saqueados constantemente para cobrir absurdos éticos e morais como a “farra do caviar” em detrimento da população, da qual é ceifado seu mais precioso bem: a saúde.

    Dra. GREYCE LOUSANA é Prof.ª e Diretora da Invitare Pesquisa Clínica e Presidente Executiva da SBPPC.

    Entrevistas e informações para a imprensa:

    Jornalista responsável: CLAUDETE PAULETTI (MTb 13.870)
    Contatos com a imprensa: TUANNIE PAULETTI
    (11) 5181-8079 / 99523-9959 / 98202-8203
    contato@surpress.com.br
    claudete@surpress.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.