Para alguns é difícil enteder, mas amigos realmente não se compra

Quando eu era mais nova, minha mãe sempre fez questão de deixar bem claro que amigo não se compra, nem se vende e que durante a vida toda deveríamos ficar sempre atentos a isso. Ter boa condição social não lhe dá o direito de achar que oferecendo benesses fará com que o outro lhe deva fidelidade e amizade, mesmo porque o amigo verdadeiro não se importará com o que você tem de valor ou favor a lhe oferecer e sim o tipo de amigo que você pode ser.

Quem cresce no Rio de Janeiro, em especial na Zona Sul, acaba conhecendo “pessoas de nome e sobrenome”, aquelas que tem parente famoso, seja artista, político, etc e que quando as pessoas se referem a elas nunca esquecem de incluir o sobrenome, não porque tenha mais de uma pessoa com o mesmo nome no grupo, e sim porque de certa forma demonstra um “status”, mesmo que inconscientemente, mostra conhecer ou ter acesso aquela pessoa, daquela família.

Minha mãe sempre ficava atenta para que não nos deslumbrássemos com isso e que sempre fossemos amigos pelo o que a pessoa era, não pelo nome que ela carregava ou o “status” que estar conectado aquela pessoa poderia trazer.

Assim crescemos e aprendemos que o verdadeiro amigo fala o que deve ser falado na hora certa, que o verdadeiro amigo não tem medo de ir contra você para não perder a amizade, que amigos podem ter opiniões diferentes e isso é ótimo, faz com que ambos tenham a chance de pelo menos por um instante refletirem sobre determinado assunto sobre outro prisma.

Infelizmente nem todas as pessoas são assim, e não sei porque ainda me espanto quando me deparo com situações onde um grupo de adultos “supostamente” amigos está na verdade mais conectado pelas benesses que podem obter uns dos outros do que pelas pessoas que podem realmente conviver, conhecer e verdadeiramente chamar de amigo.

Facebook Comments

ADD YOUR COMMENT

Mostrar botões
Esconder botões