Pais & Filhos: “Minha Casa” vs “Nossa Casa”

Creio que semana passada, ou mais ou menos uns 15 dias atrás, minha irmã me ligou e disse para que eu tentasse assistir ao programa da Oprah quando o Will Smith fosse participar falando do seu novo filme que será lançado em dezembro nos E.U.A, e como eu nunca sei quantos dias após o programa passar lá ele passa aqui, ontem por sorte, surfando na tv a cabo, acabei chegando na entrevista do Will Smith na Oprah.

Acho o Will sensacional, não só pela sua carreira, que eu acompanho desde a época da série The Fresh Prince of Bel Air, conhecido no Brasil como “Um maluco no pedaço”, ok, não era o meu programa preferido, na época preferia o The Cosby Show[bb], mas o acompanhava e devo admitir que assisti quase todos os seus filmes: Eu sou a lenda[bb] (I am legend); À procura da felicidade[bb] (Pursuit of happyness, The); Hitch – Conselheiro amoroso[bb] (Hitch); Eu, robô[bb] (I, robot); Bad boys 2[bb]; Homens de preto 2[bb] (Men in black 2); Ali ; Lendas da vida (Legend of Bagger Vance, The);  As Loucas Aventuras de James West (Wild Wild West); Inimigo do Estado (Enemy of the State); Homens de Preto (Men in black); Independence Day; Os bad boys (Bad boys) e Seis graus de separação (Six degress of separation), além é claro do O espanta tubarões (Shark tale) onde ele era o Oscar (voz), e além de acompanhar sua carreira, ainda admiro muito a forma como ele conduz sua vida pública e como sempre fala do seu relacionamento com a esposa, e os filhos.

A primeira vez que me chamou a atenção, foi anos atrás, quando estava assistindo um programa da Oprah e ele foi entrevistado e naquela semana havia ocorrido alguma premiação estilo Grammy ou Oscar na qual o Will estava acompanhado da família e disse aos filhos para comprimentarem a Miss Oprah (na tradução senhorita Oprah, mas no Brasil seria como dizer senhora Oprah),  e aquilo havia causado um espantado na apresentadora, porque geralmente as pessoas apresentam e falam simplesmente o nome dela, e ele explicou que havia de ser ensinado desde cedo que há uma certa hierarquia nos relacionamentos.

Não fui educada chamando as pessoas de senhor ou senhora, a não ser que fossem pessoas bem mais velhas, mas na minha casa sempre chamávamos as pessoas de tio e tia e depois o nome, sendo irmão/irmã dos meus pais ou não, jamais pelo primeiro nome, pode parecer bobagem, mas não é, ao chamar pelo primeiro nome aquele se torna um igual, é o mesmo que um amiguinho da escola e até certa idade a criança precisa entender que apesar de amigos há limites entre esse tipo de amizade (lendo não sei se todos vão entender o que quero dizer), a uma ordem de respeito mais difícil de ser rompida.

Meus pais sempre receberam muito bem os amigos dos filhos, posso dizer que meus pais conhecem todos os meus amigos, conhecem de ver, saber quem é, falar oi e muitos deles de bater altos papos.

Por outro lado, tenho amigos que conheço desde a década de 80 e/ou 90, que frequentam a minha casa, conhecem a minha família, são parte/extensão da família, mas alguns eu nunca vi os pais, outros conheci poucos anos atrás, outros vi uma vez aqui outra ali e sinceramente, acho muito estranho o indivíduo não ter interesse em saber e conhecer aquela pessoa que seu filho(a) escolheu para ser amigo(a) que por esse motivo já é extremamente imporante na vida dele(a) naquela período em que a amizade durar, independentemente de ser um mês ou vinte anos.

Ontem, assistindo ao programa, um fato me chamou a atenção, minha mãe sempre fez questão de mostrar que era a nossa casa, que havia regras que deviam ser seguidas, mas era a nossa casa, ontem vi o Will Smith explicando que ele e a esposa, a atriz Jada Pinkett Smith, conversam muito com os filhos e uma regra é clara, a casa é deles, o quarto que as crianças dormem é deles, pois está dentro da casa que pertence ao casal, porém eles emprestam aquele espaço, aquele quarto para dormirem, pois quando você empresta algo a alguém você pode e tem direito de falar como você quer que seja usado, a hora que você quer que esteja limpo, como por exemplo se eu empresto o meu carro para você, posso dizer que desejo que o mantenha limpo, caso contrário, se o carro é seu, você limpa quando bem entender.

Aos 30&Alguns o que quero dizer é que apesar de não ter filhos, espero um dia ter, sou rodeada por crianças, vários amigos e primos com filhos e as idades variam  de 3 meses até 16 anos, acho importante os pais terem interesse em conhecer, mas realmente conhecer os amigos do filhos, de mostrar que a casa é nossa, é da família, que há limites, que há diferença sim no tratamento entre os amiguinhos e um adulto e que é necessário manter a ordem, em termos de limpeza no lar, simplesmente porque é o nosso lar  e se não começarmos cuidando dele, do nosso templo, como saberemos cuidar das nossas vidas?E você o que pensa, tendo filhos ou não?

Facebook Comments
Comments
  1. Veri, que reflexão interessante. Vai render vários posts!
    Eu também sempre apresentei meus pais aos meus amigos, quando eles vêem me visitar em Sampa eu dou um jeito de apresentar quem está convivendo comigo naquela época. Acho que isso reforça laços, dá a noção de quem somos (os pais) e onde estamos (os amigos) e eleva o relacionamento a um outro patamar. Espero que meus filhos sejam exatamente assim comigo.
    Fui criada chamando as pessoas de senhor e senhora, mania da minha avó que minha mãe não conseguiu tirar… mas minha mãe (como meus sogros, aliás) é chamada pelos nossos amigos pelo nome e, curioso, alguns amigos ficaram muito ligados a ela tb. Meu pai, nissei, acha isso meio estranho…
    Vc deve ter notado, meus filhos chamam as pessoas pelo nome (salvo as muito muito idosas) e as tratam como iguais, nunca ensinei a chamar de tio quem não é parente. Meus primos adultos eles chamam de “primo fulano”, é bem engraçado. Mas é carinhoso e faz vínculos, que na verdade é o que importa.

  2. Adorei sua reflexão de hoje!
    Bjs.

  3. É engraçado isso. Meu marido chama meu pai de você já faz tempo e até hoje eu estranho, para mim ele tinha de chamar de senhor, pois foi assim que eu fui educada…

  4. Denise

    Acredito que todas as formas como somos tratados e tratamos as pessoas , sendo sinceras são válidas.
    Eu tive uma educação super relax, não chamava meus pais de Senhor e Senhora, mas de você, p/q eles entendiam que não era a forma de tratamento que significava respeito.
    Tenho um genro que me chama de tia, e acho muito legal, o outro me chama de Dê, e tbm acho legal, e sei que eles me respeitam e eu tbm os respeito.
    Os amigos dos meus filhos sempre me chamaram de tia e muitos até hj me chamam assim, outros me tratam pelo nome, ninguém nunca me falou SENHORA, e tenho uma relação muito grande de amizade, com todos.
    Adorei o post!
    bjinsss

  5. D.

    Muito parecida com a criacao que recebi em casa. Meus amigos frequentam minha casa, conhecem minha familia. E sempre fui ensinada a chamar pessoas mais velhas de sr. e sra. Mantenho isso até hoje. A menos que a pessoa diga que nao gosta, é claro.

    Mas acho que pode-se chamar de você e nao diminuir em nada o respeito. Por outro lado, acho que chamar de sr. e ser corrigido é BEM melhor do que chamar de você e ser corrigido por um chefe, por exemplo…rs

    Ótimo post.

  6. Até hoje, se eu não responder: Sim, Senhor para meu pai, e Senhora para minha mãe, a reclamação começa, e não termina até a retratação. Bem como, todo e qualquer pessoa de mais idade termos que dispensar tal comportamento e atitude. Bom saber isso do W.S.

  7. Veridiana Serpa

    Sam Shiraishi » eu sou muito ligada a família e amigos e sempre tentei manter todos conectados, afinal são pessoas que eu gosto, porque comigo não tem gostar por ser família, gosto porque gosto mesmo de todos que fazem parte da minha vida. Lá em casa, os meus amigos conhecem os amigos dos meus irmãos, quando éramos adolescentes saíamos muito juntos, hoje em dia é praticamente impossível, com um morando em Sampa, outra em NY e eu aqui no Rio, mas quando estamos juntos é maravilhoso, mesmo quando é ruim … hehehe …
    Senhor e senhora nunca falei em casa para os meus pais, chamo de você, mas tb chamo de papps e mamma, acho estranhíssimo quem chama os pais pelo nome…você disse tudo, fazer vínculos é o que realmente importa.bjs

  8. Veridiana Serpa

    Carol » que bom… bjs

  9. Veridiana Serpa

    Simone Miletic » hehehe, meu marido fala você também para os meus pais e chama pelo nome…

  10. Veridiana Serpa

    Denise » a sinceridade nos relacionamentos é o que vale, se pararmos para pensar, seu genro já chamava de tia antes de ser genro então seria estranho, pelo menos eu acho, se ele passasse a te chamar de senhora ou dona Denise, mas as pessoas de fora estranham quando ele fala tia … hehehe …que bom que adorou o post. bjs

  11. Veridiana Serpa

    D. » concordo plenamente que chamar é melhor ser corrigido por chamar de senhora do que de você… bjs

  12. Veridiana Serpa

    Adao Braga » minha mãe tem uma amiga que tem 4 filhos, os 3 mais velhos sempre chamaram de senhora e senhor, quando eles eram pequenos quando ela chamava eles respondiam “senhora”, o caçula sempre dizia “o que é”, mesmo sendo educado para falar senhora, vai entender… hehehe

ADD YOUR COMMENT

Mostrar botões
Esconder botões