Movimento FORÇA AMIGA alerta para o Câncer de Colo do Útero #ForçaAmiga

Sociedades médicas, especialistas e ONGs se uniram à Roche em agosto do ano passado para chamar a atenção dos brasileiros e dar voz às mulheres que enfrentam o câncer de colo do útero, através do movimento Força Amiga, iniciativa que tem como objetivo estimular o apoio à pacientes com a doença e incentivar o debate em torno do tema e todos os seus estágios.

A iniciativa conta com o apoio da Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica (SBOC), a Federação Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia (FEBRASGO), o Grupo Brasileiro de Tumores Ginecológicos – EVA, a Associação Brasileira de Patologia do Trato Genitário Inferior e Colposcopia (ABPTGIC).

O câncer de colo do útero é o terceiro mais comum entre as brasileiras. Segundo o Instituto Nacional do Câncer (INCA), serão 16.340 novos casos em 2016, um aumento de 4,8% na incidência (15.590 registrados em 2015). Estima-se ainda que mais de 5 mil mulheres morrem por ano em decorrência da doença, o que totaliza uma morte a cada 90 minutos.

O cenário da doença no País é alarmante com taxas de sobrevivência abaixo daquelas observadas em países desenvolvidos, refletindo um diagnóstico tardio e falhas no tratamento. Apesar da alta incidência e mortalidade, pouco se fala sobre a doença, principalmente na fase avançada. Uma pesquisa realizada recentemente pelo Instituto Datafolha, constatou que 73% dos brasileiros não conhecem pessoas que tenham ou que já tiveram câncer de colo do útero.

Especialistas alegam que o conhecimento insuficiente sobre esse tipo de câncer e das ferramentas para sua prevenção e tratamento justificam as altas taxas de incidência, morbidade e mortalidade no País. A doença é causada pela infecção, persistente e não tratada adequadamente, por alguns tipos de vírus, entre eles o HPV, mal que atinge 685,4 mil pessoas no Brasil, um problema que pode ser evitado.

Muitas vezes a vergonha de realizar exame ginecológico ou proibição por parte de companheiros, se somam à falta de informação.A disseminação das ferramentas de controle, como vacina, exame preventivo de papanicolau e avanços no tratamento precisam ser globalmente difundidos na população.

No Brasil, 77% das pacientes com câncer de colo do útero são diagnosticadas com a enfermidade já em fases mais avançadas, quando começam a surgir os primeiros sintomas, como sangramentos e dores pélvicas. A paciente passa a ser uma figura ignorada pela sociedade, muitas vezes abandonada pelos seus parceiros e tratada com terapias insuficientes na saúde pública. Sem voz para lutar pelos seus direitos, essas mulheres jovens e economicamente ativas partem precocemente, deixando filhos sem amparo.

Estudo brasileiro, publicado em 2014, com mais de 51 mil mulheres, evidenciou que 20% das brasileiras com câncer de colo do útero apresentam resposta terapêutica inadequada as tecnologias utilizadas atualmente. Devido aos avanços científicos, existem novos recursos da medicina que podem aumentar a expectativa de vida mesmo com o diagnóstico de câncer de colo de útero avançado. A escolha da terapia ideal dependerá do estágio da doença e condições clínicas de cada paciente. Em muitos casos, os tratamentos oferecidos contemplam apenas as combinações de cirurgia, quimioterapia isolada ou radioterapia, deixando de lado o uso de terapias mais inovadores, que podem proporcionar maiores benefícios às pacientes que hoje já têm a doença e que muitas vezes não tiveram acesso às estratégias de prevenção.

Diante desse cenário, Anvisa aprovou recentemente a indicação de um medicamento biológico já utilizado em outros países e recomendado com alto nível de evidência científica, o bevacizumabe, como a primeira terapia-alvo oferecida para o tratamento do câncer de colo do útero e o único avanço nos últimos 10 anos para tratar a doença em seu estágio mais grave. Trata-se do primeiro medicamento biológico que trouxe o benefício de taxa de sobrevida global sem redução da qualidade de vida das pacientes com esta doença.

Atualmente, diversas ações já foram implementadas no Brasil para o combate ao câncer de colo do útero, desde a vacina contra o HPV até o aprimoramento da qualidade do Papanicolau e a cirurgia de lesões precursoras, mas ainda são necessários avanços em todas as etapas da doença, incluindo novas alternativas medicamentosas no SUS, para que os médicos do setor público também possam prescrever o tratamento mais adequado para suas pacientes.

Entre as pacientes que lutam contra a doença figuram mulheres jovens, média de idade de 49 anos, com baixa escolaridade e casadas. Essas mulheres enfrentam a realidade do diagnóstico do câncer de colo de útero e dão início a uma jornada com pouca informação, dificuldade de encaminhamento e acesso às inovações em tratamento.

A previsão é que apenas daqui a 18 anos a vacinação contra o HPV, amplamente disponível desde 2014, ajude na redução efetiva do número de casos de câncer de colo do útero, causados pelo papilomavírus (HPV). Até 2034, para muitas mulheres, esse câncer ainda poderá ser uma realidade, e o acesso à saúde integral da mulher é elemento estratégico para a inclusão social, busca de equidade e fortalecimento do sistema público de saúde.

 

 

Facebook Comments

ADD YOUR COMMENT

Mostrar botões
Esconder botões