Diabetes : mitos e verdades

Diabetes : mitos e verdades

De acordo com relatório da Organização Mundial de Saúde (OMS) 8,1% da população, mais de 16 milhões de brasileiros sofrem com o diabetes e cerca de 72 mil pessoas morrem por ano no Brasil em virtude da doença, por isso a importância de prevenir ou controlar a doença, caso o diagnóstico já exista.

Alimentação e diabetes estão interligadas, uma má alimentação pode causar o descontrole da doença e complicações como o comprometimento da função renal, cegueira, amputação de membros, alteração da capacidade de coagulação sanguínea dentre outras.

A doença surge quando o pâncreas não produz insulina suficiente ou quando o organismo não faz uso eficaz da insulina que é produzida. Existem três tipos principais de diabetes:
– diabetes tipo 1: o mais frequente entre crianças e adolescentes;
– diabetes tipo 2: o mais frequente entre os adultos e está ligado à obesidade ou excesso de peso, falta de atividade física e má nutrição;
– diabetes gestacional: uma complicação da gravidez que afeta aproximadamente 10% das gestantes globalmente.

O de tipo 2 representa cerca de 90-95% dos casos, e esta enfermidade pode ser evitada através da redução dos principais fatores de risco: excesso de peso e obesidade, o que contribui para 44% dos casos; sedentarismo, que contribui com 27% dos casos; e outros fatores de risco como o tabagismo, álcool em excesso e histórico familiar (33%).

Há também estudos recentes indicando que pessoas que não consomem glúten têm mais chance de desenvolver diabetes, segundo o Dr. Marcio Krakauer, diretor da SBEM-SP, há conclusões indiretas em parte desses estudos, onde a redução das fibras seria a causa do aumento da incidência, uma conclusão possível como causa, mas que precisa de mais confirmações.

O Dr. Krakauer acredita que as pessoas estão em uma corrida contra o glúten (e a lactose) totalmente desnecessária, e sem nenhuma comprovação. Sintomas que melhoram ao reduzir ou retirar estes nutrientes podem ocorrer pela redução de carboidratos e pela redução calórica total também. Na sua visão, ainda a alimentação moderada e equilibrada é a chave da saúde. Além de exercícios e um bom sono.

A nutricionista Gabryella Batista, do Instituto Aliança, elenca os principais mitos e verdades relacionados a alimentação de quem é portador da doença.

Verdades

1. Os edulcorantes, comumente chamados de adoçantes, não são essenciais ao tratamento do diabetes como a medicação oral/insulina e o monitoramento da glicemia, mas podem favorecer o convívio social e a flexibilidade do plano alimentar;

2. As fibras são classificadas em solúveis e insolúveis, tendo as primeiras importante função no controle glicêmico;

3. Em alguns pacientes com diabetes, principalmente do tipo 1 (DM 1), as proteínas podem ser convertidas em glicose muito facilmente, gerando efeitos negativos sobre o índice glicêmico, especialmente quando o consumo é elevado;

4. A diabética gestante, ou a mulher que desenvolveu o diabetes gestacional, deve receber suplementação de ácido fólico para prevenção de má formação no feto da mesma maneira que a não diabética;

5. É importante saber que o açúcar não é o único carboidrato que deve ser controlado. O corpo converterá todos os carboidratos em glicose. Assim, porções extras de arroz, pão, fruta e leite também aumentam a glicemia.

6. Todos as pessoas com diabetes deverão ser orientados a sempre levar consigo o monitor de glicose, bem como alimentos para o adequado tratamento da hipoglicemia.

Mitos

1. Pessoas com diabetes devem comer alimentos especiais para diabéticos, por exemplo apenas produtos diet.

2. Pessoas com diabetes, só deve comer pequenas quantidades de alimentos ricos em amido, como pão, batata e massas. Isso vai depender do controle que você faz – dependendo de como estão seus níveis de glicose no sangue, você precisará comer mais ou menos carboidratos. Outro fator que pode interferir é o nível de atividade física realizado.

3. Pessoas com diabetes não podem comer doces ou chocolates.

4. Diabetes é transmissível por contato físico;

5. Diabetes não favorece o aparecimento de outras patologias;

6. Frutas não apresentam riscos ao controle glicêmico e seu consumo é liberado.

Facebook Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *