Darwin e a Depressão

Darwin e a Depressão

O texto abaixo é basicamente uma tradução livre de parte do texto Depression´s Upside, que li e achei muito bom, então resolvi compartilhar.

“Os vitorianos tinham muitos nomes para a depressão, e Charles Darwin usou todos. Havia “seus ataques” provocados por “excitação”, “nevões”, levando a uma “palpitação desconfortável do coração” e “falta de ar” que desencadeou os sintomas em sua mente.” Em uma carta particularmente lamentável, escrito a um especialista em “medicina psicológica”, confessou a “extrema flatulência espasmódica dia e noite” e “choro histérico” ​​sempre que Emma, ​​sua esposa, o deixava sozinho.

Embora tenha havido especulações intermináveis ​​sobre a misteriosa doença de Darwin – seus sintomas têm sido atribuídos desde intolerância à lactose a doença de Chagas – o próprio Darwin foi mais incomodado por seus problemas mentais recorrentes. Sua depressão o deixou sem poder fazer nada um dia em cada três”. Se desesperou com a fraqueza de espírito que acreditava correr em sua família e escreveu que a “A ‘corrida é para os fortes”, “Eu provavelmente irei fazer um pouco mais, mas me contentar em admirar os avanços alcançados por outros nas ciências.”

Darwin, é claro, estava errado; seus acessos recorrentes não o impediram de ter sucesso na ciência. Em vez disso, a dor pode realmente ter acelerado o ritmo de sua pesquisa, o que lhe permitiu retirar-se do mundo e se concentrar totalmente no seu trabalho. Suas cartas estão repletas de referências para a salvação do estudo, o que lhe permitiu escapar temporariamente de seu humor sombrio. “O trabalho é a única coisa que torna a vida suportável para mim”, escreveu Darwin e mais tarde comentou que era seu “prazer único na vida.”

Para Darwin, a depressão era uma força de esclarecimento, focando a mente em seus problemas mais essenciais. Em sua autobiografia, ele especulou sobre o fim de tanta miséria, sua teoria da evolução foi ofuscada pela sua história própria de vida. “A dor ou o sofrimento de qualquer tipo”, escreveu ele, “se por muito tempo continuarem, causam depressão e diminui o poder de ação, mas é bem adaptado para fazer uma criatura precaver-se contra qualquer grande ou súbito mal.” E assim a tristeza foi explicada a  distância, porque o prazer não era suficiente. A escuridão era uma espécie de luz.

depressaoO mistério da depressão não é que ela existe – a mente, como a carne, está propenso a avaria. O paradoxo de depressão tem sido a sua prevalência. Enquanto a maioria das doenças mentais são extremamente raras – esquizofrenia, por exemplo, é vista em menos de 1% da população – a depressão está em toda parte, tão inevitável ​​quanto o resfriado comum. Todos os anos, cerca de 7% de nós será afligido até certo ponto pela depressão.

A persistência deste flagelo – e o fato de que parecer ser hereditária – representa um sério desafio à teoria evolutiva de Darwin. Se a depressão era uma doença, então a evolução tinha cometido um erro trágico, permitindo uma doença que impede a reprodução – que leva as pessoas a parar de ter relações sexuais e considerar o suicídio – a se espalhar por toda a população. Por alguma razão desconhecida, a mente do homem moderno é inclinada em direção a tristeza e, como pensamos agora, precisa de drogas para resgatar-se.

A alternativa, claro, é que a depressão tem um propósito secreto e nossas intervenções médicas estão transformando uma situação ruim ainda pior. Como uma febre que ajuda o sistema imunológico a combater infecções, a depressão pode ser uma resposta desagradável ainda adaptativa à aflição. Talvez Darwin estava certo. Nós sofremos – nós sofremos terrivelmente – mas nós não sofremos em vão.

Na depressão cada história é única, as pessoas  procuram médicos pois estão sofrendo porém por diferentes motivos.”

Aos 30&Alguns conheço vários casos de pessoas que sofrem ou sofreram com depressão e você o que acha disso tudo?

Para entender um pouco mais sobre depressão:

O que é a depressão – ABC da saúde

Perguntas sobre…Depressão – PsiqWeb

Depressão – Psicosite

Facebook Comments

1 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.