Quando eu fiz intercâmbio, em 1992, em uma das casas em que eu morei, a “mãe” tinha um filho biológico e uma filha adotiva e um poema fazia parte do cenário daquela família. Sexta-feira assistindo ao Globo Repórter, cujo tema foi as novas faces das famílias. Como hoje é diaRead More →