Quem manda no tempo Que passa… Ao relento, com o vento, E eu Nem sempre atento Aos desígnios, propósitos, Nem sempre lógicos As vezes misóginos Embalado em doses Muitas vezes cavalares de vida Compactada Em momentos minúsculos, finitos De memórias Em cérebros sensatos, Conectados Com alguns neurônios Simplesmente semi-esfacelafos EmRead More →