Por que seus avós não tinham alergias alimentares mas você tem

Por que seus avós não tinham alergias alimentares mas você tem

Navegando na internet me deparei com o texto “Why your grandparents didn’t have food allergies…but you do”  (Por que seus avós não tinham alergias alimentares mas você tem) e pensando na minha avó com 91 anos e na minha tia avó com 87 anos que não possuem alergia alimentar, resolvi fazer uma tradução livre e te levar a reflexão se as pessoas idosas na sua família têm alergias alimentares?

Hoje em dia é muito comum conhecer crianças pequenas já com alergias e parece que a cada geração que passa isso piora. Antigamente, no tempo em que nossos avós eram crianças e jovens as comidas vinham das fazendas e pequenos mercados no início da década de 1900, e como os conservantes de alimentos não eram amplamente usados ainda, a comida era fresca. Por causa da falta de alimentos processados, suas dietas eram mais densas em nutrientes que lhes permitia obter a nutrição que precisavam de seus alimentos, e os bebês recebiam o leite materno sem restrição, simples assim.

Nossos avós não eram vítimas de dietas da moda, marketing de alimentos, contagem de calorias e outros hábitos de dieta prejudiciais que são populares hoje , por isso, eles tinham um metabolismo saudável, se alimentavam de acordo com as necessidades e os desejos do corpo, comiam quando o alimento estava disponível.

Os alimentos eram cozidos em casa, usando métodos de preparação tradicionais a partir do zero, a compra de alimentos processados ​​não era uma opção e comer fora era um luxo raro. Sorte deles, pois esses hábitos na verdade aumentaram a qualidade de suas saúdes.

Naquela época os alimentos ainda não eram tratados com aditivos, antibióticos e hormônios para ajudar a preservar a vida útil dos alimentos e os bolsos dos produtores de alimentos à custa da saúde do consumidor. Nossos avós simplesmente não cresceram comendo aditivos alimentares, estabilizantes e espessantes de Organismos Geneticamente Modificados.

Ao se alimentarem de um animal eles comiam tudo, até os ossos eram usados para fazer caldos e sopas, praticamente todos os órgãos eram aproveitados, a refeição era rica em minerais. Estes alimentos eram valorizadas por suas propriedades medicinais, nada era descartado e jogado no lixo.

Hoje em dia a maioria de nós ao sentirmos qualquer sintoma de qualquer doença, seja um simples resfriado, já corremos para a farmácia, para os consultórios médicos, pronto atendimentos, enquanto eles acreditavam mais na cura natural do corpo, uma febre não fazia com que se enchessem de analgésicos e antitérmicos, muito pelo contrário, descansavam, tomavam sopas e caldos e esperavam a febre passar. O acesso ao médico não era tão fácil e rápido, então conheciam bem os benefícios dos alimentos e sabiam o que comer ou tomar para cada situação. As consultas médicas geralmente ocorriam em casos de ferimentos acidentais e doença fatal.

Como a vida era mais tranquila e não existia a tecnologia, nossos avós brincavam ao ar livre, mesmo quando jovens tinham uma vida em contato com a natureza e a combinação de tudo que foi citado acima tem muito a ver com as alergias alimentares, já que a nutrição afeta todas as células do nosso corpo. A saúde de nossas células é dependente de dieta e estilo de vida. Células criam tecidos, tecidos criam órgãos, e nós somos feitos de um sistema de órgãos. Se sua alimentação é inadequada, a integridade de cada célula, tecido e órgão em seu corpo vai sofrer, assim você pode ser mais sensível a certos alimentos.

Pense nisso quando for comprar um alimento que irá servir na sua casa, pense nisso na hora que correr para a farmácia para comprar um xarope ou antitérmico, pense nisso ao deixar seu filho durante horas dentro de casa em frente a TV, smartphone, PC ou tablet. Tente levar uma vida mais saudável, de vez em quando vá a um parque, opte por frutas ao invés dos salgadinhos a todo momento. Não estou dizendo que devemos ser radicais, mas podemos fazer pequenas mudanças no nosso dia adia para melhorarmos a nossa qualidade de vida, a nossa saúde. Pense nisso!

Facebook Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *