As leis da atração nas relações de amizade

Minha melhor amiga, e eu nos conhecemos no primeiro dia de aula da faculdade a amizade começou ali, na hora e já se passaram mais de 20 anos.

Pesquisas mostram que a dança da amizade é matizada. Com precisão, os sociólogos e psicólogos delinearam as forças que atraem e unem os amigos uns aos outros, começando com a transição de conhecidos para amigos. Traçaram os padrões de intimidade que emergem entre amigos e deduziram o inefável “algo” que eleva um amigo ao status de “melhor”. Essas interações são minuciosas, mas profundas.

Anos atrás, os pesquisadores conduziram um estudo no qual acompanharam as amizades em um prédio de apartamentos de dois andares. As pessoas tendiam a ser amigas dos vizinhos em seus respectivos andares, embora as que estavam no térreo, perto das caixas de correio e da escadaria, tivessem amigos nos dois andares. A amizade era menos provável entre alguém no primeiro andar e alguém no segundo. Como o estudo sugere, os amigos geralmente são aqueles que se cruzam com regularidade; nossos amigos tendem a ser colegas de trabalho, colegas de classe e pessoas que encontramos na academia.

Não é surpresa que os laços se formem entre os que interagem. No entanto, o processo é mais complexo: por que acabamos conversando com uma pessoa em nossa aula de ioga e não com outra? A resposta pode parecer óbvia , mas em suma, temos algo em comum.

“Posso falar com você por um minuto?” podem ser as palavras que você diz para alguém que está prestes a se tornar um amigo e a transição de conhecidos para amigos é tipicamente caracterizada por um aumento na amplitude e profundidade da auto-revelação, segundo a socióloga da Universidade de Winnipeg, Beverley Fehr, autora de Friendship Processes, nos estágios iniciais da amizade, isso tende a ser um processo gradual e recíproco. Uma pessoa corre o risco de divulgar informações pessoais e depois” testa “se a outra retribui.

A reciprocidade é fundamental, se você estiver disposto a contar ao outro os seus problemas, mas o outro não estiver disposto a te contar os dele, a reciprocidade necessária irá faltar, de modo que essa convivência nunca se transformará em amizade.

Uma vez que a amizade é estabelecida através da auto-revelação e reciprocidade, a intimidade se forma. De acordo com a pesquisa de Fehr, pessoas em amizades bem-sucedidas com pessoas do mesmo sexo parecem possuir uma compreensão bem desenvolvida e intuitiva de dar e receber intimidade.

Aqueles que sabem o que dizer em resposta à auto-revelação de outra pessoa são mais propensos a desenvolver amizades satisfatórias. Expressividade emocional e apoio incondicional, seguidos de aceitação, lealdade e confiança, são fundamentais para uma amizade verdadeira.

Os amigos estão no geral ao nosso lado e raramente cruzam uma linha tênue da amizade, um amigo com muitas opiniões sobre a nossa vida pode não ser um amigo por muito tempo.

Quando alguém incorpora institivamente as regras, suas amizades são abundantes. Comparado aos dons emocionais, o estudo mostrou que a capacidade de um amigo de emprestar dinheiro ou um carro, por exemplo, muitas vezes aparece como banal, o dinheiro realmente não pode comprar amor.

Se alguma coisa, é dar e não receber que nos faz valorizar mais um amigo, embora os favores materiais não cheguem nem perto dos talentos emocionais de nossos amigos, ainda queremos validar nosso julgamento pessoal investindo qualidades especiais naqueles que escolhemos para ajudar.

Em um estudo clássico, os participantes ganharam “dinheiro de concurso” de um pesquisador. Mais tarde, o pesquisador abordou alguns deles e explicou que, na verdade, usara seu próprio dinheiro e pouco restava; perguntou se poderia ter o dinheiro de volta. A maioria concordou. Mais tarde descobriram que os participantes que foram pedidos para fazer o favor classificaram o pesquisador de forma mais favorável do que os que não foram abordados. Os psicólogos concordam que o fenômeno advém de um desejo de conciliar sentimento e ação, e de ver nossos instintos e investimentos como corretos.

Se a proximidade constitui a base da amizade, é lógico que seu melhor amigo seria alguém com quem você desfruta de uma intimidade exagerada. Temos com nossos melhores amigos uma expectativa de “além da obrigação”. Se sofrermos uma emergência – real ou imaginária – e precisarmos conversar, esperamos que nosso melhor amigo largue tudo e corra para o nosso lado.

Mas, de acordo com as psicólogos sociais Carolyn Weisz e Lisa F. Wood, da Universidade de Puget Sound, em Tacoma, Washington, há outro componente para os “melhores amigos” que pode superar a intimidade: o apoio à identidade social, a maneira como um amigo entende e então apoia nosso senso de identidade na sociedade ou no grupo. Nossa identidade social pode estar relacionada à nossa religião, ao nosso grupo étnico, ao nosso papel social ou à participação em um clube especial.

Weisz e Wood mostraram a importância do apoio à identidade social seguindo um grupo de estudantes universitários, do primeiro ao último ano. Durante esse período, os alunos foram solicitados a descrever os níveis de proximidade, contato, apoio geral e apoio à identidade social com amigos do mesmo sexo.

Os resultados foram reveladores. A proximidade geral, contato e apoio previam se uma boa amizade seria mantida. Mas quando os pesquisadores controlavam essas qualidades, apenas um único fator – o apoio da identidade social – previa se um amigo acabaria sendo elevado à posição de “melhor”. Muitas vezes, os melhores amigos faziam parte da mesma multidão – a mesma fraternidade, digamos, ou a equipe de tênis. Mas Weisz e Wood descobriram que amigos que oferecem esse tipo de apoio também podem estar fora do grupo. Às vezes, tudo que um amigo precisava fazer para manter a melhor amizade era afirmar a identidade da outra pessoa como membro do grupo ou até mesmo o status do grupo em si. Razões para esse resultado, podem variar de maiores níveis de intimidade e compreensão para ajudar com necessidades pragmáticas para aumentar a auto-estima.

Nós nos tornamos melhores amigos com pessoas que aumentam nossa auto-estima, afirmando nossas identidades como membros de certos grupos, e é o mesmo para ambos os sexos.

Nosso desejo de apoio à identidade é tão forte, segundo Weisz, que pode até fazer diferença para os dependentes. Em outro estudo, ela descobriu que pessoas com problemas de abuso de drogas tinham mais chance de largar seus hábitos depois de três meses, quando sentiram mais conflitos entre o uso de drogas e seus papéis sociais e senso de identidade. Aqueles que se sentiam socialmente em sintonia com o uso de drogas eram menos propensos a abondarem o uso de substâncias.

Nós permanecemos com pessoas que apóiam nossa identidade social e nos afastamos daqueles que não. Podemos até trocar de amigos quando os originais não suportam nossa visão atual de nós mesmos.

A maioria de nós prefere pensar que amamos nossos amigos por causa de quem eles são, não por causa das maneiras pelas quais eles apoiam quem somos. Soa vagamente narcisista, e ainda assim os estudos confirmam isso.

Não há melhor exemplo do que ex-membros de grupos de apoio ao câncer de mama cujas doenças foram curadas. Embora as mulheres não tenham mais câncer de mama e continuem com a família e carreiras, sua identidade social como sobreviventes permanece tão poderosa que seus laços primários de amizade estão com outros sobreviventes, as únicas pessoas que podem entender o que eles passaram e compreender. sua perspectiva de vida. Depois de eventos importantes da vida, como casamento, paternidade e divórcio, podemos facilmente mudar de melhor amigo.

Desde jovem adultos, nossa noção do que faz uma boa amizade muda muito pouco, mas nossa capacidade de manter uma boa amizade muda. É uma realidade comovente; sabemos o que significa ser e ter amigos, mas depois de nos formarmos na faculdade e seguirmos caminhos separados, trabalho, casamento, filhos, divórcio, cuidado com pais idosos, muitas vezes não conseguimos reunir tempo e energia para manter amizades que professamos valorizar. Como qualquer outra coisa na vida, se quisermos continuar amigos de alguém, isso requer um pouco de trabalho. Simplificando, devemos aparecer.

De acordo com a psicóloga da Marquette University, Debra Oswald, que estudou a natureza e a complexidade das “melhores” amizades do ensino médio, existem quatro comportamentos básicos necessários para manter o vínculo. E eles são verdadeiros, independente de você ter 17 ou 70 anos.

A comunicação facilita os dois primeiros comportamentos essenciais: auto-revelação e apoio, ambos necessários para a intimidade. Devemos estar dispostos a nos expandir, a compartilhar nossas vidas com nossos amigos, para mantê-los a par do que está acontecendo conosco. Da mesma forma, precisamos ouvi-los e oferecer apoio.

Felizmente, estudos mostram que a proximidade física tem pouco efeito sobre a capacidade de manter uma amizade em condições de funcionamento. Mudar-se para outra cidade, estado ou país não é o fim de uma amizade em parte graças à internet. Entre redes sociais e celulares podemos estar próximos.

A interação fica em terceiro lugar no cuidado de uma amizade. Você tem que escrever, você tem que ligar, você tem que visitar. Segundo Oswald o importante é interagir.

O último e mais evasivo comportamento necessário para manter amigos é ser positivo. Psicólogos sociais alegam a necessidade de auto-revelação, mas isso não significa uma licença irrestrita para desabafar. No final das contas, a intimidade que faz a amizade prosperar deve ser agradável, pois quanto mais recompensadora a amizade, mais nos sentimos bem com ela, mais estamos dispostos a gastar a energia necessária para mantê-la viva.

 

> post inspirado no texto Friendship: The Laws of Attraction de Karen Karbo

Facebook Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *