100 anos

12 sinais surpreendentes que você vai viver até os 100 anos de idade

12 sinais surpreendentes que você vai viver até os  100 anos de idade:

1. Pessoas ativas

De acordo com um estudo realizado em 2009 no Karolinska Institutet, na Suécia, com mais de 500 homens e mulheres com idades a partir de 78 anos, mostrou que pessoas ativas tem 50 por cento menos probabilidade de desenvolver demência.

Os participantes também se descreveram como sintindo-se raramente estressados​​ e os pesquisadores especulam que os cérebros deses idosos são mais resistentes talvez devido a níveis mais baixos de cortisol – estudos mostram que mais secreção desse “hormônio do estresse” pode inibir a comunicação de células do cérebro. Meditar, saborear chá preto, ou tirar um cochilo são maneiras de reduzir os níveis de cortisol.

2.Correr 40 minutos por dia

Cientistas da Califórnia descobriram que as pessoas de meia-idade que correram cerca de 5 horas por semana vivem mais e funcionam melhor fisica e cognitivamente à medida que envelhecem; os pesquisadores acompanharam os corredores e não corredores por 21 anos.

O que os surpreendeu foi que os corredores além de terem menos doenças cardíacas, também desenvolveram menos casos de câncer, doenças neurológicas e infecções.

O exercício aeróbico mantém o sistema imunológico jovem. Se a pessoa não gosta de correr, qualquer atividade física que faça durante 20 minutos por dia pode aumentar a sua saúde.

3. Aveia & afins

De acordo com um estudo Holandês, 27 grams de fibras por dia reduze em 17 por cento o risco de morrer de doença cardíaca. A fibra dietética ajuda a reduzir o colesterol total e o LDL (“mau”), melhora a sensibilidade à insulina e aumentar a perda de peso.

Uma solução fácil: ½ xícara de aveia tem 4g de fibra com 1 xícara de framboesas (8g) você terá 12g de fibra em apenas uma refeição.

Outros alimentos ricos em fibras potentes:

  • ½ xícara de cereal de 100 por cento de farelo (8,8 g)
  • ½ xícara de lentilhas cozidas (7,8 g)
  • ½ xícara de feijão preto cozido (7,5 g)
  • 1 batata doce média (4,8 g)
  • 1 pêra pequena (4,3 g)

4. Sentir-se mais jovem

Essa foi a resposta que as pessoas mais velhas em bom estado de saúde, deram em uma pesquisa realizada com mais de 500 homens e mulheres a partir de 70 anos. Sentir-se jovem é ligado a uma melhor saúde e uma vida mais longa, pode melhorar o otimismo e motivação para superar os desafios, o que ajuda a reduzir o estresse e estimular o sistema imunológico e, finalmente, reduz o risco de doenças.

5. Abraçar tendências tecnológicas

Aprender a usar o Twitter ou Skype para ajudar a manter as células do cérebro jovem e saudável. Segundo os pesquisadores o uso da mais recente tecnologia ajuda a manter mentalmente ágil e socialmente engajado, fazendo com que o indivíduo sinta-se vital e relevante.

6. Início da menopausa após os 52 anos

Estudos mostram que quem naturalmente vive a menopausa mais tarde pode ter um aumento significativo no aumento da expectativa de vida, já que as mulheres que passam pela menopausa tardia têm um risco muito menor de doenças cardíacas.

7. Contagem de calorias

Pesquisadores em St. Louis relataram que homens e mulheres que limitavam suas calorias diárias para 1.400 a 2.000 (cerca de 25 por cento menos calorias do que aqueles que seguem uma dieta ocidental típica de 2.000 a 3.000 calorias) eram literalmente jovens no coração, ou seja, o coração funcionava como aqueles de pessoas 15 anos mais jovem. Não adianta apenas comer menos, o importante são as calorias consumidas diariamente.

Os indivíduos que participaram do estudo ficaram presos a legumes, cereais integrais, leite desnatado e carne magra e foram vetados de consumir pão branco, refrigerantes e doces. Ao cortar calorias vazias e comer mais alimentos ricos em nutrientes, a saúde melhora.

8. Mães que tiveram gravidez tardia

Um estudo da Universidade de Utah, aponta que mulheres que ficaram grávidas naturalmente, após os 44 anos, tem cerca de 15 por cento menos probabilidade de morrer após os 50 anos do que aquelas que tiveram seus bebês antes dos 40 anos.

Se os ovários são saudáveis ​​e a mulher é capaz de ter filhos nessa idade, é um marcador que do funcionamento dos genes que irão ajudá-la a viver mais tempo.

9. Pulso bate 15 vezes em 15 segundos

Isso equivale a 60 batimentos por minuto – ou quantas vezes um coração saudável bate em repouso. A maioria das pessoas tem essa taxa entre 60 e 100 batimentos por minuto, embora o mais próximo da extremidade inferior do espectro, o mais saudável. Um pulso mais lento significa que o seu coração não tem que trabalhar tanto e poderia durar mais tempo.

10. Pessoas que não roncam

O ronco é um importante sinal de apnéia obstrutiva do sono, um distúrbio que faz com que o indivíduo pare de respirar momentaneamente porque tecido da garganta colapsa e bloqueia as vias respiratórias. Em casos graves, isso pode acontecer de 60 a 70 vezes por hora.

A apnéia do sono pode causar pressão alta, problemas de memória, ganho de peso e depressão. Um estudo descobriu que pessoas sem apnéia obstrutiva do sono tem 3 vezes mais probabilidade de viver mais tempo do que aquelas com apnéia grave. Se você ronca e tem sonolência diurna ou alterações de humor excessivas, converse com seu médico sobre um encaminhamento para um centro do sono.

11. Barriga relativamente lisa após a menopausa

As mulheres que são demasiadamente redondas no meio tem 20 por cento mais probabilidades de morrer mais cedo (mesmo que o seu índice de massa corporal seja normal), de acordo com um estudo do Instituto Nacional de Envelhecimento.

Na meia-idade, é preciso mais esforço para manter a cintura fina, porque as mudanças hormonais acumulam o peso mais na parte do meio do corpo.

Exercícios para a cintura
a. pratique duas ou três sessões de treinamento de força de 20 minutos em seu regime semanal de exercícios para preservar a massa muscular e o metabolismo.
b. coma uma porção diária de ômega-3 para ajudar o combate a inflamação e sete porções diárias de frutas e vegetais, carregados com antioxidantes que combatem doenças.
c. obtenha 25 por cento de suas calorias diárias a partir de gorduras saudáveis ​​- como os ácidos graxos monoinsaturados – que protegem o coração e pode ajudá-lo a armazenar menos gordura em sua barriga (para uma dieta de 1.600 calorias, isso é 44 g).

12. Tenha o sangue testado para níveis de vitamina D

Um estudo publicado na revista Archives of Internal Medicine, relata que para otimizar a proteção de doenças, precisamos de pelo menos 30 nanogramas de vitamina D por mililitro de sangue. A vitamina D não só ajuda a afastar os ossos da osteoporose, mas também pode reduzir o risco de câncer, doença cardíaca e infecção. Se necessário, você pode tomar um suplemento diário para obter os números para cima. Os médicos podem medir seus níveis com um simples exame de sangue, mas o monitoramento periódico pode ser necessário – a vitamina D se torna tóxico em de 100 a 150 ng / mL.

Via.

 

Facebook Comments

ADD YOUR COMMENT

Mostrar botões
Esconder botões