Nossas Bodas de Cristal

Ele e eu

Eu e ele

Ele, eu e mais ele

Eu e mais eles

Nosso casamento debutante

Nossas bodas de cristal

Quiçá 1/3 do que viveremos juntos

Ele e eu

Eu e ele

Ele, eu e mais ele

Eu e mais eles

Quem sabe eu e mais do que eles

Um sim a nós

Amando e respeitando

Na alegria e na tristeza

Na saúde e na doença

Todos os dias das nossas vidas

Ele e eu

Eu e ele

Ele, eu e mais ele

Eu e mais eles

Quem sabe eu e mais do que eles

Sempre em meu coração

Sempre meu coração com eles

Ele e eu

Eu e ele

Ele, eu e mais ele

Eu e mais eles

Quem sabe eu e mais do que eles

 

Qual o futuro que você quer para o seu filho?

Na noite em que o Adriano nasceu, deitada na cama do hospital enquanto ele dormia no berço e o meu marido no sofá ao lado, escrevi uma carta ao meu menino que havia acabado de chegar ao mundo:

“Querido filho Adriano,
Obrigada por ter me escolhido para ser sua mãe. A emoção que venho sentindo nos últimos nove meses e que senti hoje ao ouvir seu choro, tem feito de mim uma mulher melhor e se Deus quiser, isso tudo tem a fazer de mim uma mãe sábia, amável, companheira, capaz de sempre te ajudar, te amar, te guiar e fazer de você um homem bom, justo, querido, que tenha discernimento e consiga distinguir o certo do errado, o bem do mal.
Você acabou de chegar e já me transformou.
O meu coração é só amor.
Agradeço a seu pai por esse presente que recebi hoje. Agradeço a vovó Dedé e ao vovô Sergio por terem sempre me amado e me darem a base para conseguir ser para você o que eles são e foram pra mim.
Eu te amo meu filho.
Deus te abençoe hoje e sempre.
Beijos da sua mãe”.

Quatro anos passaram e o básico que eu continuo desejando a ele é que realmente seja um homem bom e justo, e às vezes quando vejo mães de crianças com a mesma idade do meu pequeno conversando sobre onde colocarão os filhos para estudar no ensino médio, ou até mesmo desde o maternal já pensando no ensino fundamental, eu reflito sobre o que eu realmente quero para o futuro dele, além de que tenha um bom caráter.  Eu quero descobrir junto com o meu filho quem ele é, vê-lo crescer e somente então entendendo-o eu consiga ser capaz a ajudá-lo a desenvolver toda a sua capacidade. Não acho justo com ele começar agora a decidir onde ele estará daqui 2,3,5, ou 7 anos, sem antes realmente compreender a sua essência.

Adriano é uma criança expansiva, cheia de energia, com uma capacidade imensa de fazer amigos em todos os lugares por onde passa, na natação, na escola, no judô, no parque, amigos mais novos, da mesma idade, um pouco mais velhos e bem mais velhos. Em todos os estabelecimentos que entra puxa um papo. É conhecido na vizinhança, na padaria, lojas, drogarias e restaurantes. Ao mesmo tempo também tem o dom de ficar invocado facilmente quando contrariado.

Se for pensar friamente em escolas e enem da vida, provavelmente acabaria optando por um ensino mais tradicional, e ao fazer essa escolha eu estaria tolindo e moldando o meu filho para ser algo que ele não nasceu para ser.

Ele estuda em uma escola sócio-construtivista, outro dia brincando com ele no parquinho do clube uma mãe ao vê-lo uniformizado se aproximou e disse, “meu filho estudou do berçário até o jardim II lá, me arrependo profundamente”, fiquei meio apreensiva e perguntei o motivo, segundo ela aquela escola não preparava a criança para os estudos, ao perguntar o motivo, ela me explicou que quando o filho foi para a primeira série ela o matriculou em uma das escolas mais tradicionais da cidade. Então eu pergunto a escola sócio-construtivista era ruim ou essa mãe não tinha a menor noção do que oferecer ao seu filho? É óbvio que a criança que está acostumada com um padrão de educação não vai se adaptar a uma mudança brusca rapidamente, é uma mudança radical você tirar de um ambiente com uma metodologia que propõe construir o conhecimento baseando-se nas relações dos alunos com a realidade, valorizando e aprofundando o que a criança já sabe para assim desenvolver passo a passo o conhecimento e a inteligência, onde a interação entre aluno e professor, aluno e aluno, aluno e meio, são o ponto do aprendizado, onde o professor não trabalha com apostilas, não envia monte de lição de casa, o aprendizado é mais baseado na colaboração, em  trabalhos em grupo e de repente depois de anos nesse ambiente a criança é transferida para uma escola tradicional, onde somente o professor transmite o conhecimento aos alunos, onde não há troca, os alunos são meros ouvintes, o professor é o responsável pelo conteúdo pronto da aula e o aluno se limita a escutá-lo sendo esse o ponto fundamental nesse processo que gera como produto a aprendizagem.

Acredito que em nenhum momento essa mãe teve a intenção de fazer algum mal ao seu filho, mas deveria ter se informando sobre as diferenças, ter avaliado o perfil da criança e das escolas e colocá-lo desde o princípio no modelo o qual ela acha mais adequado para que ele aprendesse e desenvolvesse suas habilidades intelectuais. Não estou dizendo que um método é melhor do que o outro, mas são bem distintos, não há coerência nesse tipo de mudança.

Por esses motivos entre outros não estou pensando agora onde o Adriano irá completar os seus estudos, me recuso a limitar o seu futuro, me recuso a me fechar para o mundo e o que ele tem a nos oferecer, não quero me programar para ficar apenas nessa vida, nessa cidade, nesse bairro, não que seja ruim estar aqui, muito pelo contrário, mas tenho que estar com o meu espírito aberto para caso seja necessário ocorrerem mudanças que elas tenham espaço para se aprochegarem, e quero acima de tudo ensiná-lo que há muito mundo no mundo e que não devemos jamais programarmos nossa vida para permanecermos estáticos.

Aos 30&Alguns sei que vai chegar a hora em que terei que escolher outras escolas, outros caminhos, mas tudo no seu devido tempo, espero saber analisar o perfil do meu filho, onde será o melhor lugar para que ele desenvolva seu potencial como pessoa, todo o seu potencial intelectual, mas tudo ao seu tempo, sem pular etapas e sem anular a sua essência.

 

 

 

Os amigos versus os colegas

Penso na quantidade de pessoas que cruzam nossos caminhos, nosso dia a dia, nossa vida seja por um breve período,  por um determinado tempo/momento ou “para sempre”.

Penso nos amigos que tive e que por um tempo foram verdadeiramente meus amigos e que hoje mal conheço ou reconheço. Aqueles que frequentei o lar, que marcaram pedaços que formam a minha história de vida e que hoje nada sei  real de suas vidas.

Alguns que sinto saudades pela agradável companhia que já compartilhamos, risadas, choros, situações. De outros tenho ótimas recordações mas  sei que são recordações de uma época passada, que  teve seu ciclo encerrado.

Com o passar dos anos, começamos automaticamente a peneirar as amizades e também sermos  peneirados e vemos que  a maioria  das pessoas que passam pela nossa vida, fazem exatamente isso, passam. Com o senso mais aguçado de auto preservação,  com a experiência que nos dá a sabedoria identificamos relacionamentos superficiais revestidos de amizade que com o tempo não perduram e acabam se apresentando como na realidade são.

Basta a nós olharmos com outros olhos aqueles que por um instante demos a liberdade de tornarem-se parte de nossas vidas e chamarmos de amigo. O erro acredito se dar devido a constante inclinação de acreditarmos na verdade do próximo.  Não há nada errado em ter milhares de conhecidos, pessoas com as quais você passará bons momentos juntos, irá se divertir,  dividir uns drinks e dar boas gargalhadas. O ponto chave é saber diferenciar que nesse tipo de relacionamento não há nada a mais do que o simples coleguismo. Depois de uma certa idade e certas experiências de vida, bem lá no fundo sabemos que uma amizade verdadeira vai muito além da mesa do bar, do copo de chopp, da risada frouxa e do papo legal porém superficial.

A amizade   engloba entender um olhar, meias palavras,  tom de voz, conhecer, gostar, respeitar, entender, ajudar, incluir, compartilhar. A amizade não é egoísta,  muito pelo contrário é companheira, e nunca deve ser imparcial,  toma parte, independente de concordar ou não, se faz ativa e presente quando necessária e com o passar dos anos se torna mais difícil de ser realmente encontrada, pode até enganar por um curto período de tempo mas graças a vida conseguimos enxergar e reconhecer quando é verdadeira. O ponto de referência fundamental são os amigos que  estando perto ou distante se fazem presente quando necessário e que  nos acompanham  por um longo período de nossas vidas.

Aos 30&Alguns eu sei quem são essas pessoas na minha vida e você consegue identificar quem são seus amigos e quem são seus colegas? Com quem você irá dividir um drink e com quem você irá compartilhar os seus segredos, medos, alegrias e realizações?

Amamentação prolongada, eu fiz e você?

Amamentei o Adriano até 1 ano e 8 meses, desde que ele começou a ser introduzido aos alimentos sólidos com 6 meses, sempre comeu muito bem, mas mesmo assim, sempre gostou do leite e ao contrário do que muitos dizem que as crianças maiores ficam apenas sugando ou fazendo manha no seio, ele realmente mamava.

Tem pediatras que recomendam diminuir a amamentação do bebê para que ele possa ingerir mais alimentos do que o próprio leite materno, estipular horários para a amamentação ou utilizar apenas para acalentar/acalmar, cortando até mesmo a mamada da madrugada. A minha nunca falou nada disso, muito pelo contrário incentivava a amamentação, assim como o Ministério da Saúde que recomenda amamentar até os 2 anos de idade.

Apesar de a partir dos 6 meses ter a necessidade de complementar com comidas/frutas, não deixa de ser extremamente importante para a mãe, ajuda a manter o vínculo com o bebê e por saber que o leite materno continuava tendo nutrientes, mas logicamente não poderia ser a principal fonte de alimentação do Adriano, muito menos  deveria substituir as refeições, e entre o meu leite e o industrializado eu optei em continuar amamentando. E não tenho vergonha em afirmar que o vínculo afetivo foi o principal motivo da amamentação prolongada, amava a troca de olhares a cada mamada.

Em 2014 o Ministério da Saúde lançou a Campanha Nacional de Amamentação como tema “Amamentação. Um ganho para a vida toda”,  com o objetivo de incentivar a amamentação de crianças até os 2 anos, já que o leite materno é capaz de reduzir em 13% as mortes por causas evitáveis em crianças menores de 5 anos.

O leite materno contém componentes e mecanismos capazes de proteger a criança de várias doenças, é um simbiótico, uma fonte natural de lactobacilos, bífidobactérias e oligossacarídios e nenhum outro alimento oferece as características amamentacaoimunológicas do leite humano. A mãe fornece ao filho componentes protetores, através da placenta e do seu leite, enquanto o sistema de defesa do bebê amadurece.

Além de fortalecer os laços afetivos possibilita uma recuperação mais rápida da mãe no pós-parto, pois acelera o retorno do útero ao tamanho original, auxilia na redução de peso e na prevenção dos cânceres de mama e colo do útero.

O Ministério da Saúde (MS) recomenda que, até os seis meses de vida, o bebê seja alimentado exclusivamente com leite materno para ter um crescimento forte e um desenvolvimento saudável, o aleitamento materno exclusivo transfere à criança, além dos nutrientes, substâncias e células, esses anticorpos as protegem de infecções.

Então se você não tiver problemas para amamentar, afinal temos que respeitar que muitas mães tem problema, não deixe de dar o leite materno.

Você já ouviu Boyce Avenue?

Você já ouviu Boyce Avenue?

Apesar de ver muita porcaria passando pela minha timeline no facebook, amo música e através da rede social descobri Boyce Avenue uma banda formada na Flórida, popular pelas suas raízes acústicas fortes e som de rock melódico, composta por três irmãos Alejandro, Fabian e Daniel Manzano.

BA_cover_back_V1

A banda foi formada em 2004, quando Alejandro (vocais, guitarra, piano), Fabian (guitarra e vocal), e  Daniel (baixo, percussão e vocais) se reencontraram depois de terminarem os estudos. Daniel se formou na escola de direito de Harvard, Fabian e Alejandro estudaram na Universidade da Flórida e foi assim que os irmãos continuaram a escrever a música e realizar shows locais. Em 2007,  a banda decidiu começar a filmar e postar vídeos de suas músicas autorais no YouTube e alguns covers. Alguns dos primeiros vídeos postados foram versões acústicas de canções como Justin Timberlake “LoveStoned”,  Rihanna “Umbrella”, e  Coldplay “Viva la Vida”, entre muitos outros. Até o momento, a banda tem mais de 300 milhões de visualizações no YouTube e mais de 700.000 assinantes de seu canal, fazendo deles um dos canais mais frequentados em todo o mundo no YouTube.

Acreditando firmemente na força de seus fãs online, e em sua música, a banda reservou um show de stand-alone em Nova York, em janeiro de 2009, para a sua primeira apresentação na cidade. Venda de bilheteria, lotação esgotada e sucesso, desde então, a banda tem estado constantemente em turnê pelo mundo, com resultados semelhantes. No início de 2009, a banda se apresentou para 25 mil fãs nas Filipinas e as turnês da banda lançadas nos EUA, Canadá e Europa estão sempre lotadas.

Abaixo separei alguns dos meus vídeos preferidos, vale a pena conferir:

f23a3b9a511da0324ff0a6e2f382a105a61c50dacd4a37d11a